segunda-feira, 2 de maio de 2016

S.O.S. saúde pública

Imagem: Internet
Autoria não identificada
Se o impeachment é um golpe parlamentar patrocinado pelos magnatas da indústria, da finança e das comunicações, como desconfia pelo menos metade da nação; se a Câmara dos Deputados presidida por Cunha e controlada por sua gangue não tem legitimidade para julgar Dilma Rousseff, como asseguram Alencar e o PSOL; se Temer é um usurpador, como todos já perceberam, e co-beneficiário de financiamento ilegal de campanha eleitoral, como alegam Marina e sua Rede; se a decisão final sobre o mandato de Dilma caberá a um Senado povoado de políticos sob suspeição, como não ignora o STF; se o próprio STF está de quatro em face do golpe, como se queixam Lula e o PT; e se um conluio criminoso de empreiteiras e concessionárias de serviços públicos está alojado no coração do Estado brasileiro, como demonstrou a Lava-Jato, a conclusão inevitável é que ou tudo isso é apenas um grande mal-entendido ou a democracia está à espera de ser refundada no Brasil! 

Não precisamos de eleição para presidente: precisamos de outro Congresso, de uma Assembléia de autênticos representantes da sociedade civil eleitos sem a influência do poder econômico e com plena soberania para acabar com a República das Empreiteiras, com o Capitalismo dos Sócios da Fazenda Pública, com a Política dos Grandes Negócios, com o Estado das Concessionárias, com a Justiça dos Patacudos etc., seja pela via da reforma radical da Constituição de 1988 ou mediante a aprovação de uma nova Carta.

Quem quiser que chore o passamento da Nova República. Eu penso que o mais urgente é enterrá-la - porque a decomposição está avançada e o fedor insuportável.


2016-05-02